Dia do Sono 2019

No dia 15 de março assinala-se o Dia Mundial do Sono.

Comemorado anualmente por cerca de 75 países o Dia Mundial do Sono é uma iniciativa da Associação Mundial de Medicina do Sono (World Association of Sleep Medicine) cujo objetivo principal é sensibilizar as populações do quão importante é usufruir de um sono regular diário que ajude o organismo a reparar os danos do quotidiano e, a cada despertar, perspetivar um novo caminho, uma vez limpo o cérebro de preocupações pretéritas.

Diz o povo que “em março tanto durmo como faço” e esta equivalência evidencia a sabedoria popular desde tempos imemoriais da importância do sono e do seu impacto na saúde e bem-estar de cada um.

Na vida quotidiana, o não dormir o necessário, afeta negativamente todas as nossas atividades potenciando a irritabilidade e as mudanças bruscas de humor, para já não falar da redução das capacidades de concentração, raciocínio e memorização.

Quem não conhece famílias desfeitas porque por uns segundos alguém adormeceu ao volante de um automóvel? Quantos professores lamentam a fraquíssima capacidade de concentração e consequente défice de atenção de alguns alunos, simplesmente porque vêm para a escola sem terem usufruído de um sono que lhes recarregasse baterias com a vitalidade própria da sua idade.

Hoje, em dia, são por demais conhecidos os efeitos devastadores da privação do sono no desenvolvimento de doenças cardiovasculares, obesidade, hipertensão arterial, diabetes, cancro, doença de Alzheimer e doenças psiquiátricas.
Os dados da Associação Mundial de Medicina do Sono referem que mais de 20% dos adultos dormem menos de 6 horas por dia, quando segundo um estudo da fundação norte-americana National Sleep Foundation os valores recomendados para adolescentes da faixa etária dos 14 aos 17 anos variam entre 8 a 10 horas e para jovens adultos e adultos até aos 64 anos, situam-se entre 7 a 9 horas.
Para terminar, diremos que uma boa soneca por dia nem sabe o bem que lhe fazia!

Equipa EPS do AEJD

 

Cartaz